Sara Alves - Escritos
   
 
BRASIL, Sudeste, FRANCO DA ROCHA, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Livros, Esportes, Escrever
 

  Histórico

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros sites
 UOL - O melhor conte�do
 BOL - E-mail gr�tis




 

 
 

Já faz tempo que aprendi o lado negro da falta de caráter,
a insensatez, a dúvida, a angústia, a opressão, a insegurança,
o medo, o frio emocional,
Como se um massagistra tocasse o creme por uma gilete, nada fez sentido.
Isso é tão importante, que só conhecento o motivo do susto,
pude compreender os olhos inebriados e ao invés de ser
imágem aprendi me tornar realizade.
Apaguei estrelas luminosas.
Desassociei minha felicidade e minha realidade até consegui realmente vê-la, até então encoberta por um manto de maldade.
Derrubei enfeites cor-de-rosa.
Varri para longe cartas de amor (amor?), gliter, lantejolas e confetes.
Melhor as paredes nuas, o chão tímido e a verdade
pairando em liberdade.
Desde aqueles dias tristes os enfeites ficaram
no verbo, no ato e pouco me despertará interesse o futuro...
se meu presente for mesmo: você.



Escrito por Sara Alves às 23h50
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Namoro*

Se em um repente de luz meu coração suscita a falta tua,
Que não te sabe, que não te ouve, que não te vê, que não te conhece, acordo.
Ainda assim, confunde-me o sentir que dorme... te procurando aonde, se não estás!
Ainda não o és!
Em um instante seguinte volta-se e acorda, dando-me sentido e entendimento: eis o dia.
Mas é cada minuto como quem disputa o final da corrida em prol da melhor premiação: o amor.
E amar-te com todo meu amor guardado... trancado, cá inteiramente lapidado.
Momentos anciosos, rudes, puros, preciosos, momentos.
Cada um arrisca sua própria oportunidade de existir sonhando que será ele o mais especial,
um sonho têm limites, o que espero é mais além.
Tenho guardado sentidos, cálices, suspiros, planos, meus melhores abraços, beijos e afeto.
Ensinaram-se meus maus dias, a constituir dias bons para nós.
Aprendi a fazer entre um amontoado de terra, um jardim.
Aprendi a te esperar mais e não desperdiçar aos poucos o tanto que tenho exclusivamente para ti.
Envolve-me a vida de meus riscos, de meus desejos arruinadores, de precipícios rasos...
E pontes que levam a abismos.
Mas, aonde quer que esteja e de onde quer que venha este instante, te direi sim.

 



Escrito por Sara Alves às 23h26
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

MINHAS INDIGNAÇÕES

Ontém antes de dormir, fiquei separando minhas indignações por cores:
Primeiro as pretas, depois as cinzas... As amarelas, verdes, brancas.
E o que percebi de comum em todas elas foi minha incosntância de opinião.
Hora eu estava promovento todos os acontecimentos mais importantes da
minha vida, hora eu... Cadê eu? Hora eu já nem estava por lá quando esses
acontecimentos ocorreram.

Tive oportunidade de ver em uma palestra, uma música de Michael Jackson
que fala sobre começar mudar o mundo à partir "do cara que vejo no espelho"
(lógico que eu vejo uma mulher), e a idéia é justamente essa.

Porém, ha muito tempo atrás, alguém que eu imagino ter sido meu amigo
naquele dia, me disse a mesma coisa, e ouvindo achei bonito e importante
mas realmente não entendi como hoje.

Mudamos a cada novo minuto e geralmente nos tornamos pessoas melhores,
no entando, há os que se inebriam da revolta e aderem conceitos
distorcidos de modo que tudo que é ruim, torna-se bom! Lamento.

A idéia que tive e que ficou na minha mente antes de dormir, é que por mais
que possamos fazer o mundo a nossa volta um lugar mais feliz e de paz, é necessário
antes sermos felizes sozinhos e separados do mundo.

Não podemos mais sermos como a rede dos pescadores, que lançada ao mar
colhe o lixo dos turistas, as pedras, as folhas mortas e os peixes.

Não podemos ir nos arrastando pela vida, levando todas as tranqueiras de
experiências anteriores, precisamos apenas dos peixes!

Nossas dores pelos não-perdões, pelos não-agradecimentos, pelas
não-gentilezas, pela não-humildade, são dores de parto... dores de alma,
dores de vida. Sim, eu sei que para os que se deixam, a vida dói.

A vida é um emaranhado de acontecimentos, de ações dos seres vivos com os
seres vivos, e estes paracem não querer a vida "viva" um do outro.

Hora matam. Hora deixam-se morrer.
Hora lançam a rede para colher peixes e separam o lixo para jogar fora,
Hora lançam a rede para colher peixes e contentam-se apenas com o lixo.

Assim, dormi.

Sara Alves



Escrito por Sara Alves às 12h46
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

CONVICÇÃO

Tudo o que há em mim preocupa-se em estar em Tí, Senhor,
Os labirintos de cada célula almejam a essencia Tua.

Cabe-me um desejo de estar em Tua presença,
Tão honrosa, inexplicável em minhas limitações de expressão.

Quisera poder contar ao subconsciente de cada ser vivente:
Como Tu és Belo, Maravilhoso, Príncipe de Paz e Pai no aspecto
mais verdadeiro que essa palavra queira dar significância.

É sobrenatural viver-Te é institivo e simples perceber-te,
Porém não é fácil manter-se ao Seu lado.

Enquanto colhemos as flores, espetam-nos os espinhos!
Que diria o lenhador de seus calos depois de ver a floresta vazia
e após o jantar, ter seus filhos satisfeitos?

Satisfaz os espinhos sangue?
Satisfaz o lenhador ver seus filhos satisfeitos.

Satisfaz o lenhador a terra devastada?
Satisfaz o apaixonado, o ramo de flores.

Se houver uma estrada, haverei de caminhar e escolherei por onde ir.
Se não houver, escolherei por onde iniciar uma.

És A Certeza de explendor e bonança,
És A Certeza de que cativos apenas não sabem ter-te como a única fuga,
por onde seremos capazes de relamente nos vermos livres.

A liberdade nem sempre carece de uma porta aberta,
Muitas vezes é preciso estar trancado para ir além de onde
nossos pés jamais chegariam aos passos de nossas frágeis pernas.

É preciso esquecer-se de sí mesmo para saber-se e o saber está em Deus,
Porque ninguém é para si mesmo, a menos que objetive ser o simples insumo da terra
de seu seculcro,

Para fazer certo não é regra tão pouco condição ter que antes, errar.
Saber viver, almejar mais, ter sonhos,querer ir além, tudo isso não nos proporciona ganhar asas,
Mas sim a oportunidade de poder voar. (S.A.)



Escrito por Sara Alves às 09h49
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

ÁRVORE

 

Hoje não paro de respirar nem que me peçam.

Não adianta insistir, não paro.

Hoje vou respirar dos carros,

Do cozido para a janta,

Do cheiro de chuva,

Da planta.

 

Hoje, quero respirar fundo.

Quero inclusive, dar a volta ao mundo...

E respirar um pouco de cada continente.

Hoje, serei quem sempre quis,

Respirarei muito mais,

Mais além desta raiz.

 

Hoje! É hoje!

De nada adianta vir-me ferir outro machado,

Vir me recostar outro cansado...

Vir colher-me os frutos já bichados,

Porque é hoje.

Hoje.

 

E enquanto eu respirar quero enverdecer a vida...

Essa coitada que teima em insistir comigo,

Porque verde, eu já não fico!

É só um cinza de um pó corrosivo...

Que não quero nem saber:

Vou respirar.

 

Se quando chove tenho alento,

Enquanto chove... Respiro.

Se me cabe ainda saber respirar...

E desaprender cada elo do que sou!

Mas aprender a ser cama, ser quadro, ser peão de rodar,

É... Ainda posso respirar.

 

Das idéias boas que tive essa é a melhor,

Respirar,

Roubar todo o ar que esteja mesmo além das tabernas,

Árvore não comete pecado, só em mim o machado, veredas.

Quando o dono do machado estiver sem ar, também estará sem pernas,

Que nessa idade, podres me valem de adubo e osso, de boas muletas.

 

Sara Alves

Escrito por Sara Alves às 09h37
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

CURA TUA ALMA

Antes de acordar... Teimar em abrir os olhos para o dia

que já chegou... Cura tua alma.

Antes de gelar o couro dos pés

ante o chão que o espera ansioso... (É por isso

que está lá). Cura tua alma.

Respire mais uma vez... Mas que seja assim:

Inspire rapidamente, mas liberta o ar aos poucos...

E enquanto isso mire seu arco e flecha para o

que é belo... Mesmo que os outros não

concordem com a beleza que você tem certeza: Está lá.

E então... Quando todo ar tiver sido esvaziado

de ti... Lembra da tua alma...

Se não tiver lembranças porque nunca a viu...

Não se levante... Não há necessidade.

Para este caso, seja em pé, seja deitado

sempre estarás dormindo. (S.A.)



Escrito por Sara Alves às 21h30
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

DECEPÇÃO

Nada é perfeito nem tão puro... tão pouco transparente.
Há muita falsidade e traição nas coisas mais simples.
Ontém (29-01-2006) foi um dia muito triste,
percebí que de nada serve construir um mundo perfeito,
se mergulhar nele se
só é perfeito para nós mesmos.
Algumas coisas não existem.
E eu que ainda acreditava...
Algumas coisas da vida,
ficaram para os velhos tempos... ou para os sonhos de
criança... E eu realmente já não sou...
É hora de acordar... Que eu acorde então...
E quando as flores estiverem bem bonitas...
Dane-se o perfume e a beleza. Vou cortá-las pelo simples egoísmo
de tê-las enfeitando meu quarto.
Infelizmente aprendí que elas jamais
poderão enfeitar meu coração... (S.A.)



Escrito por Sara às 15h53
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

NÃO TÊM PREÇO

Não tem preço sentir que alcançamos o maior sentimento da vida,
Com nada se paga, com nada se pode comprar.
Poder envolver-se na essência do seu olhar e entender sem necessidade de palavras as suas fraquezas, manhas e precisões.
Ter o toque que te cura da saudade.
Ter o sorriso que te completa a alegria.
Ter a voz que te faz calar-se apenas para ouvir sem mesmo prestar atenção no se diz... Como uma criança ouvindo canções para dormir...
E dormir em seus braços inquietos e quietos tão indecisos quanto o seu coração que parece estar em desespero ou em festa...
E te abraçar...
Bem forte... Quando a verdadeira força já não está nos braços e sim no que se sente...
E que sentimento mais tênue...
Ora nos engole e já não sabemos de mais nada além do que ele nos diz, ora sabemos de todas as coisas e não há o que possam nos ensinar.
Que nestas datas de bonança, a felicidade se mantenha e que sua sustentação não esteja no que somos ou no que fazemos, mas naquEle para que é o sustentador supremo de todas as coisas infinitas do universo. (S.A.)



Escrito por Sara às 18h40
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

A Vida



A vida às vezes parece querer brincar de esconde-esconde.
Um dia ela esconde nossa alegria e pergunta... Onde ela está?!
E com o coração respondemos baixinho para nós mesmos... Com medo de alguém ouvir sem entender...
N’outro dia ela devolve... Como se essa, já não fosse mais uma de suas “peças de esconder”.

Desde que estou aqui,
As árvores continuaram com o mesmo verde.
Os doentes de morte continuam indo para nunca mais voltar.
A chuva ainda causa incômodo... Ainda mata... E só era para molhar...
A formiga continua na mesma trilha... E quando a folha cai... Ela não olha para o lado procurando ajuda...
Os perfumes continuam sem cor.
As cores continuam sem perfume.
O paralítico continua impossibilitado de correr atrás da pipa.
Os velhos sorriem ante a novela das seis.
E as lágrimas que colhemos são apenas frações de tempo.
Tempo que não sabemos se terá valor.
O tempo até o próximo sorriso... E o esquecimento que se têm.
Tudo não é nada.
Nada é o que realmente existe.
Se as flores desabrocham, são para murchar e perder a beleza.
Se o passarinho canta... É chamando a atenção para a mira certa do caçador.
Tudo tem limite.
No tempo certo os prédios serão demolidos.
As frases serão reformuladas. Os toques serão todos absolutamente digitais.
As nuvens terão formato padrão...
E o amor... Ainda hoje... O que fizeram com o amor?!
Vai esperar eternamente pelo olhar que se tocou.
Vai esperar eternamente pela pelas palavras bonitas.
Vai esperar eternamente pelo sorriso sem graça e o coração feliz.
Vai esperar eternamente pelo abraço de saudade.
Vai esperar eternamente pelo grande dia de união.
Vai esperar eternamente pela tarde bonita para passear.
Mas quem sabe assim, já não exista mais tanta ironia.
Tanta falsidade.
Tanta frieza.
Tanta decepção.
Tanto fracasso.
Tanta desilusão.
E a mesma mão que acaricia, já não mais poderá esmagar... Até o sangue verter a última gota.

Pobre mundo... Nem sabe que têm um Deus tão rico... (S.A.)


Escrito por Sara às 17h56
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Gl5:22-25

O Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei.

Escrito por Sara às 17h11
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Aba Pai

Se às vezes fico presa às raízes do passado que não me deixam seguir em frente, é fácil desprender-me, não nasci assim. Dessa vez não vou culpar meu coração nem ninguém, a culpada hoje sou eu. O sentido da minha vida, fui eu quem dei, foi me dado um livre arbítrio. Quando estou no escuro sei que é porque não quero acender a luz; se perco é porque acho que ainda não é a hora de ganhar; escrevo para não precisar falar. Controlo tudo, o que não está controlado é porque não é para estar, e isso, eu respeito.Tenho o controle, basta aprender a usar todos os botões e alguns macetes...

Ainda vou me soltar, seguir em frente, comer argolas mágicas flutuantes, voar com as borboletas, sentir o vento frio no meu rosto e ter só para mim o primeiro raio de sol do dia... Isso sim valerá a pena.... Mas não mais que te amar Senhor Rei Meu.

O amanhã me espera, não preciso esperar mais nada além de Ti. Ora vêm. Aba... (S.A.)


Escrito por Sara às 19h09
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

QUÊM TÊM SIDO SEU ESPELHO?


Hoje eu estava pensando com meus botões, que é muito interessante o fato de que nascemos envoltos por uma ignorância natural que é uma bênção...
Com o tempo, vamos adquirindo contatos e uma educação que forma nossa personalidade...
Desenvolvemos uma individualidade que é composta por tudo aquilo que outras pessoas têm e achamos “bonito”, absorvemos com admiração e também passamos a ter...
Estamos assim, formando o “eu” que seremos.
“Se minha professora têm letra cursiva, a minha tendência é tentar fazer a letra o mais redondinha possível...”. Depois de certo tempo, já temos conteúdos “emprestados” suficientes para formar nossos conteúdos próprios...
E então, aqueles que ainda não possuem personalidade própria começam nos copiar...
O que não entendo é: Porque os defeitos de um indivíduo tendem a ser mais copiados do que suas qualidades?
E porque depois de ter sido formada uma personalidade “defeituosa” (como a de um bandido, que atenta contra a sociedade que o “abriga”), a sua correção se torna tão dolorida a ponto do ser corrigido abominar o ser que corrigi?
E porque o ser de personalidade forte, esmerado, aparentemente correta, aprimorada, tende a ser isolado do grupo ou sociedade?
Porque esses pobres ricos definham entre as tintas de caneta e os papeis... E toda essa “formosura personal” precisa ser transformada em livro... Porque quase ninguém copia espontaneamente...
Será que as pessoas de personalidade em formação repelem as de personalidade formada, firmando assim, uma massa social de um grupo que se copiam um do outro as práticas negativas até a morte... Numa formação de personalidade que não acaba... Devido a uma possível doença de personalidade grupal, no mundo?
E se isso puder ser entendido como uma apatia causada pela nossa velocidade de evolução que atordoa a todos com a necessidade de sempre absorver mais, mais, mais... Perdendo foco, perdendo extremos... E se isso for um hematoma da falta de fé, de origem e de destino que assola tantas vidas...
A Terra precisa de Sal.
Não sal para salgar. Sal para dar sabor.
Antes, é preciso experimentar Deus.
Todo aquele que não experimentou Deus, salgará.
Todo aquele que experimentar Deus, dará sabor...
E esse...
Será apreciado com admiração pelo Único que é verdadeiramente Digno de ser completamente copiado.

Pense nisso. Mas pense também: Quem têm sido o seu espelho?

Muitas vezes... É preciso atirar uma pedra... Até que os cacos formados se reduzam à insignificância de refletir apenas o pó do chão que os recebeu. (S.A.)



Escrito por Sara às 13h19
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Há tempo:

Para tudo ha um tempo, debaixo dos ceus
Pra voce sao os momentos, esse tempo e todo seu
Ha tempo pra nascer, ha tempo pra morrer
Tempo para demolir e tempo para construir
HA TEMPO DE SORRIR, E TEMPO DE CHORAR
Se hoje ha o que destruir, ainda ha tempo de plantar
Se atiras uma pedra, ha tempo pra junta-la
Se voce nao quer a guerra, todo o tempo e para paz
Se todas as obras sao boas, ao seu tempo ainda mais
Se nao entende a criacao, nao entendera jamais
Se hoje e tempo de sorrir, houve tempo pra chorar
Se hoje ha o que destruir, ainda ha tempo de plantar... (S.A.)


Escrito por Sara às 07h40
[] [envie esta mensagem
] []


 

 


Algumas pessoas parecem folhas secas a voar... Sem saber de onde vieram ou para onde estao indo...
Outras foram molhadas pela chuva e estao apodrecendo...
Existem algumas que cairam no rio e estao sendo lentamente levadas pela mare...
Outras voam pra tao longe de suas arvores, com o vento forte, que ja nem sabem ao certo se eram de roseiras, macieiras, laranjeiras...Mas eu me entristeço mesmo... E por aquelas que
não sabem ao menos: Que sao folhas. Simples folhas secas. (S.A.)

Escrito por Sara às 15h19
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

UTOPIA?


O mundo perfeito, a paz, o fim da guerra, o amor, a uniao, a fidelidade, a fraternidade, a fe, a bondade, a placidez, a quietacao, a constancia, a amizade, o apego, a lealdade, a fiducia, a confianca, a certeza, a bondade, a persistencia, os trabalhos honestos, os sonhos, as realizacoes. Pergunto eu, enquanto olho a cidade acordando atraves da janela do meu quarto: Sera utopia?

Escrito por Sara às 12h40
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]